quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Bolha de ar...

Este senhor tirou-me as palavras da boca...

"Preciso de tempo! Não sei se segundos se anos.

Preciso do meu sorriso, da minha cara de puto reguila, do pôr-do-sol tatuado nos meus olhos...Não quero perder nada disto. Não quero que a vida me roube mais. Já chega... mas parece que ela não me ouve e insiste em pôr buracos fundos no meu caminho. Ao pé deste, todos os outros parecem covas para berlindes. O vazio sempre me assustou. A imagem do sofrimento apavora-me, deixa-me paralisado no amanhã..."

A isto só acrescento: preciso de uma bolha de oxigénio, que não faço a miníma ideia do que seja, para me aguentar... E que seja rápido... A energia está a chegar ao fim.

A que me vai safando, é saber que algures dentro de mim ainda existe uma reserva. Pequena. que me faz mover. A questão é: para quê? O truque é não deixar esta questão ganhar mais importância que a que mereçe. Porque no dia em que isso mudar está tudo lixado...

Ass: Gattaca

PS - sempre afirmei que tudo o que sentimos não é nada de novo. Já foi sentido ou está a ser vivido por alguém. Só que não deixa de ser curioso vê-lo escarrapachado num outro local qualquer. Neste caso um blog.

Sem comentários: