sábado, 12 de novembro de 2005

disco fever

Sim senhores, é verdade. Esta semana falei com um dos representantes dos Village People. Alex Briley, o militar, da mítica banda da disco fever.
Não há ouvido neste mundo, à excepção dos mais pequenos, que não conheça pelo menos o refrão. e foi disso que falei com o Alex, da história, das dias da disco fever e do regresso da música disco ao mainstream - Madonna, por exemplo.
O que é que eles andam a fazer? Nada, só a cantar o que cantam desde 1977. Não escreveram nada de novo, nem mudaram de personagens. Continuam a bombar para quem os quiser ver.
O que é que eles cá vêm fazer? Fazer-nos abanar o capacete. Ele pediu, explicitamente, que as pessoas fossem vestidas com roupas confortáveis para dançar durante a festa de sexta-feira, dia 18, no Pavilhão Atlântico.
Porque é que são uma banda gay? Porque as suas primeiras músicas foram testadas em discotecas gay de Nova Iorque e a partir daí cresceram os êxitos disco, como os Village People, os Boney M, Donna Summer, Gloria Gaynor e tantos outros; era a prática entre os produtores no final da década de 70.
Porque desapareceram os Village People? Na realidade andaram sempre por aí. Estiveram em vários palcos, em diversas partes do mundo, vão uma vez por ano à Austrália e finalmente aparecem, pela primeira vez, em Portugal.

Primeira pergunta que o Alex me fez?: como está o tempo aí em Lisboa? - É segunda vez que esta semana uma banda americana me pergunta isto!
Segunda pergunta que o Alex me fez? podemos comprar discos em Lisboa? - Será que eles pensam que isto é o fim do mundo?

Simpático! Convidou-me para um gathering depois do concerto.
Oh... se fosse o Robbie Williams...

Beijos
Ziggy

Sem comentários: