quinta-feira, 16 de junho de 2005

Ziggy no reino da medicina convencional

Começa a ser aborrecido contar apenas as minhas aventuras no reino da medicina, mas caros amigos e sócios, é o pouco que vos posso contar. Afinal apenas vou saíndo de casa para ir tratar do meu joelho.

Hoje estava agendada a consulta para tirar os pontos. Não tive de me mentalizar que tinha de regressar ao hospital, ver bisturis e ligaduras, pensos e comprimidos. Ia a mentalizar-me que tinha de manter a boca fechada para não dizer os mesmo disparates que disse na semana passada quando fui fazer o penso com o Dr. Maravilha.

Não sei que poderes tem aquele homem, mas por mais que mentalize e mesmo selando a minha boca não sei se conseguiria algum dia não dizer disparates em frente dele.

Conversa do costume: ora como está? bem. muito bem. pode sentar. vamos lá ver. yada yada yada.
- Vamos agora tirar o penso... ok. Agora vamos tirar os pontos...
- Quer que lhe dê a mão?
, perguntou ele.
- Só se for para lhe estalar os dedinhos., disse eu com toda a violência do mundo.
(acham possível? que burra!)

- Vê, já está. Isto era uma estratégia, disse ele.

Eu, em modo stand by à espera de mais uma dor, nem ouvi que já estava.
Pensei, já? Tão depressa. Nem dá tempo de saborear a presença. Analisou cuidadosamente a sua obra de arte - que está por acaso uma perfeição - e mandou-me embora com a receita... volte daqui a 4 semanas.
OK Tenho arranjar pretextos para que esta visita demore mais do que 5 minutos.

- Tomo mais medicamentos?, perguntei.
- Não... pode parar, respondeu.
- Quando posso conduzir?, perguntei.
- Daqui a mais ou menos duas semanas, respondeu.

Aqui entrei em pânico:
- Duas semanas? E como é que eu vou trabalhar?
- Não quero cruzar-me consigo na estrada!,
brincou. De qualquer forma já morreram todas as personalidades importantes. Já não precisa de ir trabalhar!

... esta conversa desviou-se para a política. Por isso não vale a pena contar.
Agradeci apenas ao Dr. Maravilha que me privou de trabalhar no dia em que o comunismo morreu. Obrigada!

Já sei... mega-lembrança importante

- Preciso de um atestado para o ginásio. Lamento mas não vou por lá os pés e tenho de suspender por mais três meses, disse eu.

Ele sai, vai à sua sala, volta com um papel.

- Quanto tempo?
- Três meses - Julho, Agosto e Setembro.

Mais uma vez, super rápido. Que coisa. Mas será que ele faz tudo assim rápido.
OK. Não vou conseguir protelar muito mais, portanto prepare-se o mega-disparate para durar durante quatro semanas na sua cabeça:

- Já sabe, se precisar de alguma coisa tem o meu telemóvel, é só ligar, disse ele.
- Com certeza. Já agora... como é que vai passar 4 semanas sem os meus disparates?, perguntei eu.
- Não sei. Não sei como me vou aguentar, respondeu.
- Então já sabe, se precisar de alguma coisa tem o meu telemóvel, é só ligar!!!!!!!, disse eu.

Não me perguntem de onde nascem estas ideias doidas. Devo andar a ver filmes a mais. Certo é que ele se vai lembrando de mim!

Oh deuses, por que me deste esta cabeça cheia de fantasia.

Beijos
Ziggy

PS: Gattaca está a precisar de ombro amigo! Este é o meu forcing.



Sem comentários: