segunda-feira, 28 de fevereiro de 2005

The Day After

O esperado aconteceu. Primeiro dia sem o Oxy em Lisboa e depois da cerimónia dos Óscares.
Saí da rádio perto das 05h10, mas apenas me deitei perto das 06h30. E estava perdido de sono. Pelo sim pelo não, desliguei os telemóveis.
Acordei perto das 14h, completamente desorientado e sem saber o que fazer. Foi uma sensação de vazio muito estranha...
Levantei-me da cama e lentamente fui à cozinha tomar o pequeno almoço. Torradas e leite com chocolate. Tudo à minha volta era estranho e por mais que me esforçasse por acordar e reagir, não conseguia! Passei pela sala e acendi o aquecedor de gás que tenho na sala.
Falei com o Xrl8, falei com o Oxy e voltei para a cama para ler algumas revistas... A casa estava muito fria e os lençóis quentes. Passados minutos já dormia outra vez. Acordei às 16h40. Dei um salto da cama, porque tinha de vir para a rádio às 17h.
Cheguei cá às 17h20... Cá estou sem muito para fazer, felizmente. Acabou agora mesmo o jogo de futebol entre o Porto e o Benfica. Está tudo louco aqui na rádio. Não tenho grande paciência. Não entendo este fenómeno.

Espero sair daqui perto das 23h e qualquer coisa, para ir ao cinema. Filmes para ver são muitos, por isso logo me decido.

No meio de tudo isto estou muito calmo. Calmo demais. Tudo me é indiferente e me passa ao lado. Parece que tenho vivido os últimos tempos em piloto automático. Parece que apenas estou vivo aos fins-de-semana quando estou com os meus amigos e faço o que quero... Parece que só sei reagir quando ouço música, quando faço as minhas “viagens” ao som da música...

A partida do Oxy ainda mais veio acentuar toda esta desorientação. Sei que é um erro meu, que não tenho de incomodar ninguém com isto. Também sei que não devia dar tanta importância a outra pessoa e deixar que ganhe tanto peso na minha vida. Só que não sei ser de outra forma. Também sei que estou a tentar mudar. Mesmo.

Quanto ao emprego para par-time comecei hoje a ver os jornais com mais atenção. Pode ser que a sorte vire.



Quanto ao fim-de-semana AMEI a noite de sexta-feira com o Je_Bois, Efe e Oxy. Acho que fiz uma dupla invencível com o Je_Bois... Senti uma imensa cumplicidade! O bairro como sempre estava simpático. Cruzei-me com o JP e com mais pessoas conhecidas. Como sempre o Pedro Ricciardi na cabine do Frágil soube criar bons momentos de dança. As bebidas e não só, também ajudam sempre. Porque não podemos estar sempre felizes assim??

AH!!! E vi o Efe a dançar... E diz que o moço fez sucesso no Frágil. Ele e o Oxy. É o que se chama carne fresca! Quanto à noite foi super bem passada pela companhia, pela conversa, pelos olhares, pelas bebidas, pela música e pela dança. Tudo nas doses certas e sem exageros!

Ass: Gattaca

Sem comentários: